Desemprego: como superá-lo?

Desemprego: como superá-lo?

O desemprego é uma das questões sociais que mais têm afetado o brasileiro nos últimos anos. Com índices elevados, a falta de emprego da população acarreta outros problemas como a insegurança alimentar, problemas de saúde mental e física, aumento da violência, etc.  

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o desemprego no Brasil caiu para 13,2% no último trimestre, encerrado em agosto. Para efeito de comparação, o mesmo período de 2020, a falta de ocupação no país era de 14,4%. Já no segundo trimestre de 2021, a taxa era de 14,1%.  

Apesar da queda, esse percentual ainda representa 13,7 milhões de pessoas desempregadas. Além disso, a renda do brasileiro caiu 10,2% em comparação ao mesmo período de 2020.  

Sem muitas alternativas, o brasileiro acaba partindo para informalidade. A pesquisa registrou crescimento de cerca de 1% de trabalhadores informais no terceiro trimestre em relação ao segundo. Além disso, o número de brasileiros atuando de forma autônoma bateu recorde e agora são 25,4 milhões.

Não se culpe  

Quando se está desempregado há algum tempo é natural que algumas pessoas se sintam culpadas, envergonhadas e até mesmo com o sentimento de impotência por não conseguirem sair desta situação. 

Nutrir sentimentos de desesperança pode desencadear problemas de autoestima, saúde mental e dificultar ainda mais o processo de recolocação profissional. Por isso, não se culpe por estar desempregado.  

O desemprego é, antes de mais nada, um problema estrutural da nossa sociedade e que está ligado a diversos fatores, como:  

  • Redução de investimentos em setores estratégicos da economia, como indústria e serviços; 

  • Substituição de mão de obra por máquinas; 

  • Diminuição do poder aquisitivo da população, que diminui o consumo e reduz a circulação de dinheiro no país; 

  • Crises políticas e econômicas;  

  • Redução de custos das empresas em períodos de crise; 

  • Baixa capacitação profissional, que muitas vezes tem o agravante da falta de acesso à educação ou péssima qualidade da educação pública. 

Benefícios que pessoas desempregadas têm acesso 

A falta de emprego gera uma série de dificuldades financeiras que impossibilitam, inclusive, a busca pela recolocação profissional. Por isso, existem diversos programas sociais do governo que amparam os desempregados.  

1 – Seguro-desemprego 

Ajuda de forma temporária quem trabalhou com registro em carteira, mas não foi demitido sem justa causa. Para acessar esse benefício, é necessário seguir algumas regras que você encontra no site do Governo Federal (clique aqui).   

2 – Saque do FGTS 

Trabalhadores formais, isto é, que possuem carteira assinada têm direito ao saque do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). A consulta deste benefício e todas as regras podem ser feitas no site da Caixa, banco responsável por contas do FGTS (clique aqui).  

3 – Transporte gratuito  

Em São Paulo, o trabalhador que tenha registrado em sua carteira de trabalho a baixa do último emprego há mais de 30 dias, pode solicitar o Bilhete do Desempregado para utilizar o transporte público (confira). 

4 – Centros de apoio ao trabalhador 

Em diversas prefeituras espalhadas pelo Brasil, existe um órgão de apoio ao trabalhador. Em São Paulo, por exemplo, o Centro de Apoio ao Trabalhador e Empreendedorismo (Cate) realiza atendimentos para pessoas que buscam orientação e inserção no mercado de trabalho.  

5 – Centro de Referência de Assistência Social (Cras) 

Também é possível buscar ajuda no Cras mais próximo de sua casa. O Cras é um aparelho público que oferece acessos a serviços de assistência social a famílias em situação de vulnerabilidade pessoal ou social. O órgão é porta de entrada para programas sociais, como CadÚnico, Bolsa Família, etc.    

 

Busque vagas de emprego nos lugares certos 

A busca por vagas de emprego passou a ser concentrada em sites com este fim nos últimos anos, o que já elimina o deslocamento para quem está à procura de recolocação. Mas, é preciso procurar as vagas nos lugares certos.  

1 – Vagas 

O site Vagas é um dos mais populares para procurar oportunidades de emprego. São vagas para diversas áreas, cargos, experiências e localizações. Cadastre-se gratuitamente e utilize os filtros de pesquisa com sabedoria (clique aqui).   

2 – InfoJobs  

Assim como o Vagas, o InfoJobs também é um site popular e traz diversas vagas para todos os níveis de experiência. Também é gratuito (clique aqui).  

3 – LinkedIn 

O LinkedIn é uma rede social que conta com um campo para vagas. Diferente do Vagas e do InfoJobs, o LinkedIn tem o foco principalmente em cargos e funções com nível de exigência maior. Ainda assim, é possível encontrar boas vagas e fazer o famoso “networking” ou rede de contatos (clique aqui).   

4 – Indeed 

Um ótimo lugar para procurar vagas de todos os níveis é o Indeed. O site é um agregador de vagas intuitivo e recheado de filtros de pesquisa, que te direciona para vagas de seu interesse (clique aqui).  

5 – Oportunidades Leo Social 

Apesar de não ser um site integralmente focado em vagas, o Leo Social conta com uma aba em seu site dedicada a oportunidades de emprego para o setor moveleiro. O candidato pode entrar em contato direto com as marcenarias e empresas do setor (clique aqui).  

Além desses, existem outros sites de vagas gratuitos e pagos, como Catho, Emprega Brasil, Jooble, Trabalha Brasil, Trampos, CIEE e mais. É importante frisar que ainda é possível entregar currículos presencialmente em agências de emprego.  

Também é fundamental construir uma boa rede de contatos. Familiares, amigos, vizinhos, ex-colegas de trabalho, etc. Todas essas pessoas podem ajudar na recolocação com o famoso “QI”, o “quem indica”.  

Procure por profissionalização e melhore seu currículo 

Ser um profissional qualificado é fundamental para conseguir emprego. Não importa se você é um marceneiro, publicitário, administrador, projetista ou qualquer outro profissional, a profissionalização precisa estar em dia.  

Por isso, procure fazer cursos – gratuitos ou pagos, se puder – relacionados à sua profissão e se especialize. Além de agregar conhecimento, uma especialização ajuda a fazer seu currículo ser bem visto pelos recrutadores. 

Alguns exemplos de cursos que você pode fazer: 

  • Escola da Marcenaria:

Há diversos cursos na Escola da Marcenaria para quem atua ou deseja atuar no setor moveleiro. Marcenaria, Montador Sob Medida, Promob e mais. São cursos pagos e gratuitos (confira).  

  • FGV: 

Além dos já conhecidos cursos pagos, a FGV conta com diversos cursos na modalidade gratuita e on-line na área de negócios (confira). 

  • Fundação Bradesco: 

Estratégia de Negócios, Contabilidade Empresarial e Microsoft Excel são alguns dos cursos on-line e 100% gratuitos disponíveis pela Fundação Bradesco (confira).  

  • Google Ateliê Digital:

No Google Ateliê Digital, você conta com diversos cursos nas áreas de Dados e Tecnologia, Marketing Digital e Desenvolvimento de Carreira (confira). 

E para finalizar, procure dicas de melhoria do currículo na Internet ou com amigos que atuem na área de RH. Um currículo bem estruturado é essencial para chamar a atenção dos recrutadores.

+ Notícias

Curta e compartilhe!

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
WhatsApp
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support