Giba: o sonhador responsável pela criação do Leo Social

Giba: o sonhador responsável pela criação do Leo Social

O Leo Social, organização mantida pela Leo Madeiras, existe desde 2006 e foi criado no intuito promover o trabalho e a moradia digna por meio de diversos projetos, como a Escola da Marcenaria. A Escola da Marcenaria, principal projeto do Leo Social, já formou mais de 8 mil profissionais ao longo desses anos. E se o Leo Social existe hoje é devido ao sonhador Gilberto de Almeida Gomides, marceneiro e instrutor da Escola da Marcenaria. 

Giba, como é carinhosamente chamado, entrou no setor moveleiro de uma forma inusitada. “Comecei no ramo de marcenaria como curioso e também para tirar o estresse que eu estava na época. Trabalhava como vendedor em redes de supermercados, e não estava legal”, conta.

A curiosidade de Giba o levou a fazer um curso de marcenaria promovido pelo Senai. “No início me questionei se conseguiria aprender, porque eram muitas máquinas no curso”, lembra. Ele concluiu o curso e a partir daquele momento começava a sua história com a marcenaria.

Logo após se formar pelo Senai, Giba e seu professor, Edmilson, montaram uma marcenaria. “Como eu tinha uma verba, que guardei da empresa em que trabalhei por 16 anos, estava com uma grana boa e abrimos a marcenaria”, explica. “Fiquei mais de um ano junto com o Edmilson. Não deu certo e parti para outra”, admite.

Durante o tempo em que teve a marcenaria, Giba fazia cortes de madeira para Wilson, um rapaz que produzia brinquedos pedagógicos e outros objetos de artesanato com madeira. “Como ele não tinha o maquinário para fazer alguns cortes, ele ia até nós para isso”, recorda.

Na marcenaria, além de Edmilson, Giba contava com a ajuda de Alex, um garoto que perdeu a mãe logo cedo e precisava de um rumo.

“A irmã do Alex chegou um dia na marcenaria e perguntou se eu podia ensinar alguma coisa para ele, porque ela trabalhava e tinha medo de deixa-lo sozinho, já que onde eles moravam era muito perigoso. Fiquei com esse menino, super simpático, e ensinei o trabalho. E ele não ficou lá de graça. Eu pagava um valor e a irmã dizia que ele recebia muito, inclusive”, narra Giba.

E foi vendo Giba ensinar Alex que Wilson, o rapaz dos brinquedos pedagógicos, percebeu o dom que Giba tinha em ensinar. “O Wilson viu potencial em mim e me convidou para dar aula em seu lugar. Eu estranhei de início, disse que nunca tinha dado aula e que não iria. O Wilson insistiu e disse que eu levava jeito e tinha paciência para ensinar, isso por conta do Alex. Eu acreditei e aceitei o desafio”, revela.

Giba passou a dar aulas de marcenaria na Escola Estadual Padre Tiago Alberione, em São Paulo. Ele conta que se apresentou à diretora da Escola, Flávia, e logo de cara se surpreendeu – negativamente – com o local. A marcenaria era uma cozinha abandonada que a escola não precisava mais. Além de ser pequeno, o lugar não era adequado para a atividade, já que tinha piso escorregadio.

Como solução, Giba sugeriu de construir um galpão de madeirite no terreno ao redor da escola. A ideia foi aceita e com isso foi construído um galpão para acomodar a marcenaria. Com mais espaço à disposição, o local tinha 15 bancadas e máquinas manuais e estacionárias para prática da atividade.

O agora professor de marcenaria passou a ensinar a profissão para adolescentes de 13 a 17 anos de idade.

“Foi uma experiência muito gratificante, porque todos os alunos que a Flávia mandava para mim eram alunos que tinham problemas, seja judicial ou de mau comportamento. Ela mandava o B.O. pra mim”, brinca Giba. “Ela falava ‘o seu Gilberto resolve’ e eu realmente conseguia resolver. Formei vários profissionais e vários deles hoje estão com a sua marcenaria, outros foram para o interior e aqueles que não foram para marcenaria construíram suas famílias graças ao projeto”, enaltece.

Depois de tudo, Giba ainda criou uma cooperativa junto com alguns amigos e ex-alunos. O projeto estava indo de vento e popa até que, após dois anos, um dos diretores aplicou um golpe, deixando Giba e Olintho, um dos sócios, com uma dívida de mais de R$ 14 mil com a loja Leo Madeiras, de Diadema – SP. Giba conta que ele e Olintho eram cobrados todos os dias. Aos poucos todos da cooperativa desistiram do projeto, com exceção de Olintho.

“Fui na Leo tentar uma possibilidade de solucionar com o gerente da loja, Zamana. Expliquei toda a situação, falei pra ele que estava difícil, mas que iríamos pagar. Ele ouviu a nossa história, ligou para o departamento e falou que seria nosso fiador”, relata.

Após alguém contar sua história, Giba conseguiu um trabalho pontual para produzir e instalar carrinhos para guardar brinquedos. Com o serviço, ele e Olintho conseguiram pagar a dívida com a Leo.

Nasce o Leo Social

Paralelo a isso, o professor Giba escreveu um projeto para apresentar à Leo Madeiras. A ideia era criar um instituto para ensinar marcenaria a jovens. “Com o projeto pronto, fui à Lapa conversar na central da Leo. Fui várias vezes, quase cinco vezes, até que aceitaram a ideia”, lembra. Em 2006, com a ajuda de Giba, foi criado o Instituto Leo.

“Na parte da manhã eu dava aula para as crianças e quem me reembolsava era o Instituto Leo. Ficou uma parceria por muitos anos. O Instituto Leo tinha escolas parceiras no Grajaú, Santo Amaro, Diadema, Heliópolis e mais. Estava muito bem, até que surgiu uma lei que não podia dar aula de marcenaria para menores de 18 anos e acabamos com a parceria com essas instituições”, afirma.

O Instituto Leo seguiu então capacitando maiores de 18 anos. Após todos esses contratempos, Giba segue como professor da Escola da Marcenaria, que absorveu os cursos do até então Instituto Leo – hoje chamado de Leo Social.

 

“Estou aqui todos esses anos. Ministro aula em Diadema no projeto da Escola em parceria com o Tabea e gosto do que faço. E nesse período todo foram formados diversos profissionais. Muitos empregam meus alunos para trabalhar com eles, porque acreditam no projeto”, agradece.

Todo o impacto social que o Leo Social tem hoje em realizar projetos, como a Escola da Marcenaria, só foi possível porque o professor Giba sonhou com isso. Mesmo com adversidades, Giba nunca deixou de sonhar e acreditar em mudar a vida das pessoas.

“O sonho é vivido, realizado e dividido com todos os que sonham junto. É acreditar e correr atrás de parcerias. Este meu sonho hoje é uma realidade e se Chama Leo Social, que há 16 anos promove conhecimento na arte da marcenaria”, conclui Giba.

+ Notícias

Curta e compartilhe!

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
WhatsApp
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support