Projeto Arquitetando o Mundo gera impacto social com jovens do país

Projeto Arquitetando o Mundo gera impacto social com jovens do país

Iniciativa de Valter Strunk e Ariadne Pereira também já realizou projetos em parceria com o Leo Social. Conheça!  

De uma mesa de bar para um motorhome que impacta jovens e os espaços onde moram. Foi assim que surgiu o Arquitetando o Mundo, projeto do arquiteto Valter Strunk e da psicóloga Ariadne Pereira.

O Arquitetando o Mundo surgiu em meados de 2017, no dia que a gente se conheceu, em uma mesa de bar. Na época, o Valter trabalhava como diretor de arte em uma empresa de cenografia e eu, como psicóloga em um Serviço de Proteção às Crianças e Adolescentes Vítimas de Violência”, afirma Ariadne. 

“Quando o Valter soube que algumas das crianças que eu atendia moravam em abrigos (hoje conhecidos como Serviços de Acolhimento Institucional para Crianças e Adolescentes – SAICA), ele perguntou como eram aqueles espaços e se elas [as crianças] se sentiam em casa morando em uma instituição”, explica.

“Relatei que os SAICAs garantem o básico para os acolhidos, mas nem sempre são lugares acolhedores, o que impacta diretamente no desenvolvimento das crianças. A partir dessa conversa, somado às nossas insatisfações no trabalho que exercíamos e a vontade de fazer algo socialmente relevante, criamos o Arquitetando o Mundo”, lembra a psicóloga. 

Foto: Ariadne Pereira e Valter Strunk/Arquitetando o Mundo

O objetivo do Arquitetando o Mundo é democratizar a arquitetura e tornar os participantes das ações mais conscientes dos espaços onde vivem e frequentam, provocando o melhor de cada um nesse processo.

A primeira ação do casal aconteceu dois meses após eles criarem o projeto. Ariadne e Valter reuniu amigos e parentes, fizeram uma vaquinha e realizaram um mutirão para transformar a sala de TV da SAICA da Zona Norte de São Paulo.  

“Esse momento foi realmente marcante, aprendemos muito e a partir daí, conseguimos refinar nossas metodologias, entender erros e acertos para então transformar mais 4 instituições entre os anos de 2018 e 2019”, destaca Ariadne, que ressalta que essa ação foi a que mais marcou o projeto até aqui.

“A ação fez a gente entender que era possível realizar um trabalho relevante, crítico, fazendo uso dos nossos conhecimentos e experiências em psicologia e arquitetura”, enaltece. 

Impacto social 

Antes de cada reforma que promovem em instituições, o Arquitetando o Mundo realiza algumas oficinas que são chamadas de Laboratório de Criação. São nessas oficinas que os jovens exercitam a criatividade, “re-conhecem” o espaço onde vivem, aprendem conceitos básicos de arquitetura, entram em contato com artistas e artesãos e, sobretudo, sonham.

“Sonhar com um novo espaço é a possibilidade de criar um projeto de vida no qual os próprios jovens são protagonistas”, afirma Ariadne.  

“Nosso carro chefe são as reformas no estilo ‘faça-você-mesmo. Esse processo conta com duas etapas: Laboratório de Criação e Mão na Massa, que duram em média 10 dias. Além das atividades com as crianças, realizamos cursos com profissionais da educação e assistência social sobre a importância do ambiente no desenvolvimento da criança”, explica a psicóloga.  

O Arquitetando o Mundo já impactou mais de 100 jovens ao longo desses anos. “Esperamos aumentar ainda mais esse número”, diz empolgada Ariadne.  

Parceria com o Leo Social 

O Leo Social também faz parte da história do Arquitetando o Mundo. O projeto já realizou, entre 2018 e 2019, quatro ações em parceria com o Leo Social nas chamadas Repúblicas Jovens, que são equipamentos públicos que acolhem jovens em vulnerabilidade social entre 18 e 21 anos. 

“A primeira parceria a gente nunca esquece. Foi realmente mágico ter o Leo Social com a gente durante dois anos, nos quais pudemos unir o melhor de cada um para transformar a realidade de dezenas de pessoas”, afirma Ariadne.

Os jovens atendidos pelo projeto desenhavam objetos/móveis e a execução ficava por conta dos alunos do curso de Meio Oficial de Marcenaria do Leo Social, que entregavam a peça por meio do Marcenaria do Bem  trabalho de conclusão do curso.   

“Desenvolvemos um processo criativo com os jovens, que criavam e desenhavam um ‘objeto-desejo’ para ser construído pelos alunos do Marcenaria do Bem. O momento das entregas era sempre muito potente. A troca entre os jovens e os alunos [do Leo Social] era um momento bastante especial, capaz de resgatar a autoestima de alguns e mudar a perspectiva de vida de outros. Emocionante!”, relembra a psicóloga.  

Motorhome e planos futuros 

Para levar o projeto a ainda mais lugares, o casal também apostou na empreitada de construir um motorhome – uma casa sobre rodas. A casa funciona como oficina nômade e é parte integrante das ações e cursos que eles oferecem pelo Brasil. 

“Demoramos quase um ano para construir o motorhome. O Valter encabeçou a montagem e sem saber quase nada, pesquisando na internet, no YouTube e em grupos de WhatsApp, conseguiu com louvor erguer nossa casinha”, relata Ariadne.

“Diante dos nossos privilégios (somos brancos, classe média, tivemos a oportunidade de fazer o ensino superior), escolhemos vivenciar esse processo para justamente mostrar o poder do ‘faça-você-mesmo’, ainda que você acredite que não sabe fazer nada”, completa.  

Para construir o motorhome, Valter também realizou o curso de Meio Oficial de Marcenaria da Escola da Marcenaria do Leo Social em 2019. “Foi dada a largada! 55 dias, 4 horas por dia, um total de 220 horas para se tornar marceneiro. Muito obrigado Instituto Leo pela oportunidade”, enalteceu o arquiteto nas redes sociais do Arquitetando o Mundo na época.  

A expedição pelo Brasil do casal começou em São Paulo, com a reforma da quadra de um SAICA na Zona Leste. Está em Minas Gerais e seguirá por todo o país. “Iremos subir o país pelo centro-oeste, descer pelo nordeste até o sul. A meta é fazer esse trajeto em 18 meses”, pontua Ariadne.  

“A jornada é intensa e nem sempre fácil, mas acreditamos tanto no que fazemos que nos orgulhamos de toda nossa história. Cada pequena conquista é um orgulho que nos faz movimentar e continuar seguindo”, destaca o casal.

“Nosso plano é continuar realizando um trabalho que faça a diferença na vida das pessoas e nossa meta é impactar muitas pessoas e comunidades Brasil à fora”, concluem.  

+ Notícias

Curta e compartilhe!

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
WhatsApp
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support